ironias da vida

falando

Há um tempo, talvez dois ou três anos atrás, eu percebi que qualquer aperto, batida, beliscão ou mordida parecia doer muito mais que o normal. Achei estranho, mas, tudo bem.

Depois de mais um tempo, percebi que meus pés demoravam muito a esquentar e que a minha perna chegava a formigar e doer de frio, e, não havia nada que fizesse esquentar, só parava de sentir quando eu dormia de cansaço.

Também comecei a notar que cada vez mais meu sono era conturbado, dormia muito, mas, era como se não tivesse dormido nada. Eu estava sempre cansada.

Isso sem contar os quadros de depressão e ansiedade.

E, se eu passasse por alguma situação estressante, tudo piorava.

Num dia de frio, não aguentava mais aquela dor estranha, então resolvi pesquisar no google o que poderia ser para que eu procurasse o médico certo. A suspeita então era de fibromialgia.

Consegui uma consulta com uma reumatologista, expliquei tudo o que sentia e ela me passou diversos exames. Tudo deu normal. Pelos exames eu sou uma pessoa absolutamente saudável.

A suspeita foi então confirmada: tenho fibromialgia.

Não tem cura. O melhor tratamento para aliviar as dores é o exercício físico. Ou seja: depende de mim. Eu, que me escondia das aulas de educação física, terei que colocar os músculos para trabalhar. Não podia ser mais irônico.