como acabar com a sua carreira

comentando

Eu adoro acompanhar as novidades musicais, principalmente as novidades para adolescentes. Gosto dessas músicas bobinhas, com refrão chiclete e cheia de efeitos. É óbvio que eu ouço uma ou duas músicas dele, e é óbvio que o marketing musical desse nicho se fixa na beleza e não no talento, afinal coisas bonitas são mais fáceis de vender, ainda mais para adolescentes em busca de um príncipe encantado. Desde a minha adolescência é assim que funciona, aliás, desde a adolescência da minha mãe.

Mc Biel aparentemente é um garoto de classe média que teve a sorte de ganhar um investimento na carreira. Se você é um garoto que tem a sorte de nascer “bonito” e com algum dinheiro, você, provavelmente vai se achar a última bolacha do pacote. Vai estar sempre bem vestido em boas festas e, provavelmente vai conquistar muitas garotas. Tudo vai ser fácil. É preciso muito pé no chão e puxão de orelha dos pais pra mudar isso, mas, quais as chances dos pais chamar a atenção? O garoto tá fazendo o que garotos devem fazer: pegar garotas. Não importa quantas por final de semana, quanto mais melhor. Que pai não quer um garanhão? Não importa se ele respeita a garota ou não, porque “se a menina está na balada ela não se dá ao respeito mesmo”.

Você junta isso ao sucesso repentino. Dinheiro, muito dinheiro na conta, muita garota no pé, muita garota fazendo o possível pra conseguir qualquer coisa com você (e muita garota adolescente!). É óbvio que você vai se achar um rei. E vai achar que pode falar qualquer coisa pra qualquer pessoa porque você é rico, famoso, gostoso e qualquer mulher faria tudo pra ter uma noite com você. Juntando tudo isso, temos o caso do Mc Biel assediando a jornalista do IG numa entrevista que ajudaria a carreira dele a crescer mais um pouquinho, mas que ele jogou ladeira abaixo.

A culpa é a falta de talento? Não, porque poderia ser a pessoa mais talentosa do mundo que não te daria o direito de assediar alguém. A culpa é do funk? Não, não é porque você canta funk que automaticamente se torna um babaca. A culpa é o dinheiro? Também, porque eu acredito que o dinheiro é capaz de aflorar ainda mais o que a gente é por dentro.

Por um momento, eu acreditei que fosse despreparo por parte da assessoria de não atentá-lo em relação a isso, mas não, é coisa de formação de caráter mesmo. É claro que ele é culpado pelo que ele fala, porém, não só ele. É todo um histórico, uma atitude não repreendida quando criança, o ensinamento do pai pro filho, a admiração por parte das meninas que (acham que) gostam de garotos que não aceitam um não como resposta (a gente é ensinada a achar isso bonito, vai vendo). É uma cultura que está muito, muito funda em nossa sociedade e que por muito tempo era normal, mas que, felizmente as mulheres estão prontas pra dizer que não, não é normal.

O Biel foi o primeiro a assediar uma jornalista durante uma entrevista? Não, claro que não! Ele só teve o azar (risos) de encontrar uma mulher que não vai mais deixar pra lá porque “homem é assim mesmo”. Pode ser que o processo não dê em nada? Pode, afinal, só levaram a acusação a sério com os áudios vazados e, sempre que há uma oportunidade, tentam deslegitimar o discurso de uma mulher, mas seguimos na luta. Que todos os assédios sejam jogados na roda, é preciso debater, questionar, mudar, e claro, educar os meninos desde criança para que na vida adulta, não se torne refém de atitudes como essa.

E pra você que precisava de um exemplo de como a vida pode piorar, agora você tem o exemplo do Mc Biel, que depois dessa acusação teve contratos cancelados e ainda atropelou uma motociclista e negou socorro. Karma is a bitch.

1ad5e6ed9a0024e5af569a053939aa25

P.S: Queria colocar no texto mas não achei lugar: Felipe Neto como sempre perdeu a chance de ficar quietinho. O Biel já gravou o vídeo de desculpas, agora, aguardo ansiosamente o dia em que o Felipe Neto vai pedir desculpas pra todo mundo que ele ofendeu.

Opte pelo trabalho de uma mulher

Acho que esse foi o dia 8 de março mais importante desde que eu me entendo por gente. Minhas leituras atuais (obrigada, queridas do meu feed) tem me obrigado a pensar em muitas questões que, por comodidade, poderia facilmente ser deixado de lado. Todo esse engajamento por um dia da mulher com a mulher como protagonista de fato está mostrando que as minas não estão aqui de brincadeira (ainda bem).

womens-rights-equal-human-rights

Durante todo o dia me peguei refletindo sobre uma questão: quando penso na minha área, qual o primeiro nome que me vem à cabeça? Quando penso em fotografia, lembro de Diane Arbus, Vivian Maier, Nan Goldin, é fácil pra mim, mas são poucas em relação aos primeiros nomes que geralmente vêm a mente. E artista? Frida Kahlo, só? E diretora de cinema? Sofia Coppola é suficiente? E estilista? Moda é sempre relacionado a algo “de mulher”, porém, os homens acabam dominando esse setor também. E chef? Lugar de mulher é na cozinha, só que não na posição de chefe, não é mesmo? Agora, imagina se eu citar profissões mais “masculinas”. Pois é!  E sabe o que é pior: quando uma mulher consegue um posto de destaque na sua área, só o talento não é suficiente: precisa ser linda, bem vestida, culta, sexy sem ser vulgar (acho que já comentei isso, né?!)

Por isso acredito que internet é uma ferramenta extremamente importante para essa revolução acontecer, para mostrar que existe muita mulher fazendo coisas lindas por aí. Imagina o quanto de artista mulher foi sufocada pelo patriarcado e não pode se expressar, quanta mulher quebrou essas correntes, entretanto, não foi citada nos livros de história e teve seus trabalhos arquivados e nunca encontrados…

E, com a popularização das páginas no Facebook é possível encontrar profissionais de outras áreas, além das artísticas, mostrando o seu trabalho. Então, com esse post, proponho que, toda vez que tiver a opção de uma mulher fazer o serviço, opte por ela. Essa é uma ótima forma de empoderar e tornar o mercado mais diverso e mais justo!

Aqui no blog, sempre tento buscar por trabalhos realizados por mulheres, seja nas referências, nas ilustrações, no conteúdo ou na forma de ver o mundo. Faço isso há tanto tempo, que já se tornou algo orgânico. Espero trazer isso para a vida real com mais frequência.