ironias da vida

falando

Há um tempo, talvez dois ou três anos atrás, eu percebi que qualquer aperto, batida, beliscão ou mordida parecia doer muito mais que o normal. Achei estranho, mas, tudo bem.

Depois de mais um tempo, percebi que meus pés demoravam muito a esquentar e que a minha perna chegava a formigar e doer de frio, e, não havia nada que fizesse esquentar, só parava de sentir quando eu dormia de cansaço.

Também comecei a notar que cada vez mais meu sono era conturbado, dormia muito, mas, era como se não tivesse dormido nada. Eu estava sempre cansada.

Isso sem contar os quadros de depressão e ansiedade.

E, se eu passasse por alguma situação estressante, tudo piorava.

Num dia de frio, não aguentava mais aquela dor estranha, então resolvi pesquisar no google o que poderia ser para que eu procurasse o médico certo. A suspeita então era de fibromialgia.

Consegui uma consulta com uma reumatologista, expliquei tudo o que sentia e ela me passou diversos exames. Tudo deu normal. Pelos exames eu sou uma pessoa absolutamente saudável.

A suspeita foi então confirmada: tenho fibromialgia.

Não tem cura. O melhor tratamento para aliviar as dores é o exercício físico. Ou seja: depende de mim. Eu, que me escondia das aulas de educação física, terei que colocar os músculos para trabalhar. Não podia ser mais irônico.

quando uma amizade acaba

falando

O tempo todo a gente tem amizades se desfazendo, mas, a gente não liga muito, porque elas vão se desfazendo aos poucos até que num certo momento percebemos o quão distante estamos e bem, deixamos assim, até porque alguém já entrou no lugar dessa pessoa mesmo. E nada de receios, a vida é assim mesmo.

Daí as redes sociais vieram complicar um pouco essa dinâmica: você não consegue se distanciar o suficiente de alguém, sempre existirá um curtir aqui, um comentário acolá, uma a data a ser lembrada. Sempre haverá um resquício de contato.

E então, veio as eleições e o ódio se instaurou em todas as redes sociais. E, aos poucos, fomos percebendo o que são as pessoas. Uma ótima desculpa para se desfazer daqueles que a gente gostava mais ou menos (ou adicionou por acaso) e que você acabou de descobrir que apoia o Bolsonaro (ou o Jean Wyllys, vai saber). Tem até aqueles que não é legal desfazer a amizade pra não rolar torta de climão, mas que é só parar de seguir. Eu fiz isso. Fiz muito disso. Quem nunca?

Dia desses, estava distraída rolando a timeline do meu facebook quando percebi que há muito não tinha notícias de uma amiga. Bem, nunca se sabe, o facebook vive mudando seus algoritmos, então achei melhor entrar no perfil dela e BUM (não sei se essa onomatopeia ficou boa, mas precisava de uma): nós não éramos mais amigas no facebook!

Fiquei chateadíssima.

Poxa vida, ela é uma pessoa muito querida pra mim. Quando ninguém gostava dela no curso, eu tava lá, do lado dela. Tínhamos o mesmo gosto musical, a mesma posição política, eu não encho a minha timeline de besteira (será?, hihi). Por que será que ela desfez a amizade? Como que ela chegou a esse ponto?

Fiquei dias pensando a respeito. Não tinha noção de como isso é dolorido. Se fosse alguém que eu mal conheço, tudo bem, acontece. Mas, não. Prefiro pensar que ela resolveu deixar só parentes e amigos íntimos, assim, me sinto menos pior.

A vida real é bem mais sutil.

não canso de olhar #01

Processed with VSCO with hb2 preset
Foto por Danielle Drislane

Quando eu abri o feed do meu tumblr e dei de cara com essa fotografia, não consegui parar de olhar. Meus olhos ficaram ali, fixos, admirando a beleza da modelo e as cores que se complementam.

Fiquei aqui, pensando que eu nunca conseguiria chegar num resultado tão fantástico com tão pouco. A modelo usa uma maquiagem simples e uma blusa da Ferrari, o fundo desfocado lembra um arbusto ou alguma árvore. O vermelho da blusa se equilibra perfeitamente com o verde da folhagem e a pele tem o tom perfeito e reluzente. A cor dos olhos se aproxima da cor do fundo, que acompanha o detalhe da blusa e da alça que pode ser do soutien ou de uma outra blusinha.

Apesar dos bonitos olhos, não são eles que me fazem mergulhar na foto. Talvez seja o vermelho. Ah, o vermelho sempre hipnotiza… Mas, não podemos dar o crédito apenas a isso, todo o conjunto tem uma força magnética.

E eu, não me canso de olhar.